MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Integrando Solicitações de Aplicativos do SCCM 2012 com o SCSM 2012

Uma das soluções que a Microsoft disponibilizou é o “Application Approval Workflow”, um plugin que permite a integração entre o catalogo de software do SCCM 2012 com o processo de aprovação do SCSM 2012.

Este recurso é fundamental em empresas onde é feita a implementação dos dois produtos. Continuamos a ter os dois portais (SCCM e SCSM), porem ao selecionar um software no portal do SCCM é gerado uma requisição no SCSM que interage com os fluxos de trabalho (workflow) para aprovação da aplicação pelo pessoal de TI para o usuário.

O Application Approval Workflow está disponivel no link http://www.microsoft.com/en-us/download/details.aspx?id=29687

Sua funções podem ser visualizadas na lista e no diagrama abaixo:

  • Sincronizar as aplicações publicadas no Configuration Manager com o catálogo do Service Manager
  • Monitorar as soliticações no Configuration Manager Application Catalog gerando um service request no Service Manager
  • Retornar o resultado da aprovação no Service Manager para o Configuration Manager
  • Permitir que os administradores criem grupos de usuários com permissões especificas e filtros para aprovação
  • Visualizar e gerar relatórios das aplicações aprovadas e instaladas nos clientes

 

image

Segue abaixo as informações de requisitos:

  • System Center 2012 - Service Manager
  • System Center 2012 - Orchestrator
  • System Center 2012 - Configuration Manager
  • Microsoft Visual C++ 2010 x64 Redistributable – 10.0.30319
  • Microsoft System Center Integration Pack for System Center 2012 Service Manager

Webcast Integrando Soluções com System Center 2012 e Orchestrator

Hoje (12/11/2012 as 20:00) apresento mais um webcast da série MVP IT ShowCast, evento organizado por MVPs para diversas tecnologias. A agenda completa do evento está disponivel em http://mvpitshowcast.wordpress.com/agenda-completa-2012/

Este webcast será sem ppts, apenas demonstrações de como criar um Runbook que abra um incidente no Service Manager, Adicione um disco no VMM e Encerre o Incidente, alem de mostrar como integrar os Runbooks ao Service Manager.

Link para inscrição: https://msevents.microsoft.com/CUI/EventDetail.aspx?EventID=1032528862&Culture=pt-BR&community=0

CEA MVP IT ShowCast:Microsoft Virtual Machine Converter Solution Accelerator

CEA MVP IT ShowCast: System Center Orchestrator – Executando um Runbook interagindo com toda a Suite System Center 2012

Identificação do Evento: 1032528862

Idioma(s): Português.

Produto(s): Outros.

Público(s): Generalista TI implem_TI .

System Center Orchestrator – Executando um Runbook interagindo com toda a Suite System Center 2012   

System Center Orchestrator – Executando um Runbook interagindo com toda a Suite System Center 2012.
Palestrante: Marcelo Sincic
Este é um evento realizado pela COMUNIDADE TÉCNICA com o apoio da MICROSOFT.

 

Na sequencia várias outras apresentações se darão, sempre com ótimos palestrantes e alta qualidade técnica e para assistir a outros envolvendo System Center, Windows 2012, Exchange 2010/2013 acesse o link no inicio do post e veja a agenda.

Erro ao Reinstalar ou Atualizar o System Center Service Manager 2012

Sintoma

Ao tentar reinstalar o SCSM 2012 você poderá receber uma mensagem de erro como abaixo no processo de definição de nome do grupo de gerenciamento:

“There is already a server management group, cannot add one more”

Causa

Este erro se deve a uma instalação mal sucedida do SCSM 2012 que gravou as chaves de registro para o servidor, porem não terminou completamente o processo ou sofreu algum tipo de corrompimento.

Solução

Entre no registry e delete o grupo de gerenciamento que estará na árvore a seguir: HKEY_LOCAL_Machine\SOFTWARE\Microsoft\Microsoft Operations Manager\3.0\Server Management Groups

image

Posted: nov 07 2012, 16:18 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Palestra Sobre System Center 2012 no MVP IT Showcast

Na quarta feira inicio a minha participação no MVP IT ShowCast, evento organizado por MVPs para diversas tecnologias. A agenda completa do evento está disponivel em http://mvpitshowcast.wordpress.com/agenda-completa-2012/

CEA MVP IT ShowCast:Microsoft Virtual Machine Converter Solution Accelerator

CEA MVP IT ShowCast:System Center Orchestrator – Instalação e Configuração de Integration Packs (no site do CEA está trocado)

Identificação do Evento: 1032528914

Idioma(s): Português.

Produto(s): Outros.

Público(s): Generalista TI implem_TI .

System Center Orchestrator – Instalação e Configuração de Integration Packs

System Center Orchestrator – Instalação e Configuração de Integration Packs.
Palestrante: Marcelo Sincic

Increva-se em https://msevents.microsoft.com/CUI/EventDetail.aspx?EventID=1032528914&Culture=pt-BR&community=0

Este é um evento realizado pela COMUNIDADE TÉCNICA com o apoio da MICROSOFT.

 

Na sequencia várias outras apresentações se darão, sempre com ótimos palestrantes e alta qualidade técnica e para assistir a outros envolvendo System Center, Windows 2012, Exchange 2010/2013 acesse o link no inicio do post e veja a agenda.

Posted: out 29 2012, 22:41 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Habilitando o ASP.NET 2.0 no Windows 2012

Pode parecer algo corriqueiro, porem a resposta não está tão clara nos wizards de instalação, uma vez que o ASP.NET não pode ser instalado por pacote.

A soluçãó é muito simples, no Windows 2012 o ASP.NET 2.0 e 3.0 estão incluidos no .NET 3.5 como mostra a figura abaixo do Server Manager, bastando instalar o Framework 3.5:

image

Importante: Ao tentar instalar o .NET 3.5 é necessário utilizar a opção "Specify source..." no resumo do Add/Remove e apontar para o diretório [DVD]\Source\SXS, pois as DLLs do .NET 3.5/2.0 não são copiadas para o diretório WINSXS onde o Windows guarda as DLLs em geral.

Para habilitar o ASP.NET 2.0 é necessário após instalar o Framework reabrir o wizard e habilitar o ASP.NET 3.5 no IIS:

image

Pronto, agora os produtos que exigem o ASP.NET 2.0 irão instalar corretamente, como o exemplo abaixo do System Center Service Manager 2012 Portal:

image

Posted: out 01 2012, 17:16 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'arquitetura'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Azure Virtual Datacenter (VDC) Parte II-Conceitos Básicos

No post anterior falamos sobre a migração para Cloud http://www.marcelosincic.com.br/post/Azure-Virtual-Datacenter-(VDC)-Parte-I-Migracao-AS-IS-e-TO-BE.aspx 

Neste post vamos entender os conceitos básicos, que são representados por esse diagrama:

image

Cada parte representa um dos pilares que sustentam um Datacenter Virtual:

  • Encriptação – Todos os dados trafegados dentro de um datacenter onde vários clientes se hospedam precisam ser protegidos de forma que um não tenha acesso aos dados de outros. Isso envolve criptografia de comunicação, discos e trafégo
  • Identity – Um modelo consistente de identidade onde os clientes consigam se logar e ver seus objetos com todos os recursos disponiveis. No caso do Azure isso é feito pelo Active Directory multi-tenant (multi locatário). Como já conhecido no mercado sistemas de diretório permitem que multiplas empresas estejam hospedadas e compartilhem o modelo de banco de dados e autenticação com total isolamento
  • Software-Defined Networks – Como hospedar vários clientes se todos querem ter o mesmo range de IP e se comunicam pelos mesmos conjuntos de cabos?
    Esse é o desafio das SDNs, permitir trafego isolado. No passado faziamos isso com o recurso de VLAN mas era limitado a 65535. Hoje isso é feito de forma lógica por usar recursos como o NVRE e outros onde os pacotes de rede são tageados (marcados) a quem pertence, similar ao que a VLAN fazia mas sem o limite de 32 bits.
    Isso permite que multiplos clientes tenha o mesmo range de IP 10.0.0.0/24, já que cada rede virtual recebe um diferente TAG nos pacotes, com a criptografia e identidade garantindo a confiabilidade na entrega dos pacotes de dados
  • Compliance – De nada adiantaria se ao migrar para um datacenter público você ficasse preso a padrões que só funcionam lá. As clouds publicas precisam adotar os padrões de mercado para as redes se comunicarem. Isso não quer dizer que a forma como o Machine Learning da Microsoft é codificado é igual ao Machine Learning da AWS, mas sim que a parte básica segue padrões de interoperabilidade.
    Por exemplo, uma VMs na AWS pode se comunicar por IP com uma VM no Azure ou no Google Cloud, pois todas usam os mesmos protocolos, mesmo que um provedor tenha serviços agregados diferentes.
    O mesmo vale para uma aplicação em Moodle ou SAP, se está no Azure ou AWS não importa pois seguem os padrões de rede e comunicação (interchange) identicos.
    Por conta do compliance que posso deixar metade dos meus servidores local e os outros espalhados em 3 diferentes datacenter publicos e todos se comunicando normalmente.
  • Logging, Audit e Report – Ao migrar de uma nuvem privada (local) para uma pública preciso saber os custos e ter certeza que meus dados estão seguros e acessados só pelos meus usuários.
    Aqui não estamos tratando de log, auditoria e reports para o cliente e sim a infra interna para que o provedor tenha certeza que não há vazamento de dados, quem fez cada operação e reportar isso quando necessário.
    Por isso os cockpits de provedores de cloud pública são gigantescos. Precisam controlar e serem capazas de se refazer em qualquer tipo de falha que ocorra.
    Os primeiros datacenters surgiram do conceito de hosting, ou seja você tirava os servidores do seu rack em casa para levar ao provedor onde a eletrica, links e segurança fisica ficam por conta deles. Nesse modelo toda a responsabilidade de comunicação, segurança lógica e relatórios é sua.
    No modelo público uma boa parte dos recursos são alocados para controlar os recursos, por exemplo ao criar o antigo Microsoft Azure Pack (atualmente descontinuado) várias VMs eram criadas com o objetivo de fornecer os itens de controle.

Conclusão

Nesse segundo post falamos sobre os componentes básicos que formam uma cloud pública.

Sinta-se seguro ao colocar seus dados nesses provedores, eles são preparados para garantir o isolamento e segurança dos seus dados.

Login