MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews The process cannot access the file 'D:\home\site\wwwroot\Visitas2.xml' because it is being used by another process. 2019: 3479645
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Microsoft Advanced Thread Analytics (ATA)

Muitos clientes que visito não fazem ideia do que é o ATA, mesmo possuindo ele no licenciamento EMS (Enterprise Mobility + Security). https://www.microsoft.com/pt-br/cloud-platform/advanced-threat-analytics

Entendendo o ATA

Para entender melhor o que é o ATA precisamos relembrar o que são produtos de segurança comportamentais (http://www.marcelosincic.com.br/post/Windows-Defender-ATP-Entenda-o-Novo-Produto.aspx).

Esse tipo de produto não se baseia em um código malicioso que é baixado a partir de um DAT com informações do código que será executado (assinatura de virus).

Nos serviços de segurança comportamental você analisa tendencias, usos comuns e atividades suspeitas, como por exemplo um usuário que nunca se logou em um servidor agora é administrador e acessa diversas maquinas.

O ATA conta com o expertise da Microsoft, empresa que criou o Active Directory, e baseia sua IA base nas informações de comportamento de bilhões de usuários ativos globalmente em seus sistemas.

Essa base de conhecimento aplicada ao ambiente corporativo é capaz de detectar tendências incomuns de usuários e proteger contra ameaças antes delas ocorrerem.

Instalando o ATA

A instalação é muito simples, pois a comunicação online é realizada diretamente com uma URL do Azure que recebe e processa com Machine Learning os dados de logs de segurança recebidos.

Para instalar basta executar o instalador que é bem simples e intuitivo. Após instalar o servidor, podemos instalar o Gateway que é o servidor Domain Controller que será analisado coletando os logs de segurança.

Uma vez instalado a administração é bem simples e é possivel avançar nas configurações informando por exemplo o SID de um usuário para servir de diagnostico de invasão, um range de IP de maquinas vulneráveis (em DMZ por exemplo) e outros recursos.

Uma vez instalado a manutenção dele é automática tanto do servidor quando dos gateways que são monitorados.

Verificando Issues de Segurança do AD

Após alguns dias já é possivel ver no painel alguns alertas, por exemplo abaixo o aviso de que alguns computadores estão usando nivel de criptografia vulnerável:

capture20170807171826449

capture20170807171926453

capture20170807171951836

capture20170807172020133

Esse outro exemplo um caso de execução remota de comandos e scripts por parte de um servidor remoto. Claro que nesse caso eu irei encerrar o aviso, uma vez que é uma atitude esperada pois tenho o projeto Honolulu na mesma maquina que executa comandos WMI:

image

capture20180226144405535

Veja que nos dois casos eu consigo saber o que aconteceu, quem foi o usuário e em que servidor/desktop a atividade suspeita ocorreu.

Alem disso, o histórico de detecções nos ajuda a entender se este é um chamado real ou apenas uma atividade especifica.

Recebendo Alertas e Relatórios

O ATA permite que configure o recebimento dos alertas e dos reports com os dados.

Posso executar reports standalone:

capture20170807172144683

Ou agendar para receber por email todos os dias, assim como os alertas:

capture20170807172207309

Como adquirir o ATA

Essa é a pergunta que muitos fazem, mas é importante lembrar que como um produto online, ele pode ser adquirido por quem tem o Microsoft 365 com Security (novo EMS, o antigo EMS ou então adquirido individual.

Lembrando que como se trata de um produto vinculado ao O365, a aquisição é por usuário, mesmo que standalone.

Posted: fev 26 2018, 18:30 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Windows Defender ATP–Entenda o Novo Produto

Parte dos novos recursos do Windows 10 é a capacidade de detalhamento na segurança e integração com recursos do Microsoft DCU (Digital Crime Unit), que é a unidade da Microsoft que trabalha com o departamento de defesa para gerar e identificar ataques ao redor do mundo (https://blogs.windows.com/windowsexperience/2016/03/01/announcing-windows-defender-advanced-threat-protection/).

Tipos de Proteção Disponiveis

Em geral os antivírus são baseados em DAT que são arquivos com assinaturas de vírus e conseguem identificar programas que tenham atividades ou parte destes códigos considerados perigosos. Nessa categoria estão todos os antivírus atuais, o que inclui o Windows Defender.

Já os sistemas de proteção avançados contem com análise comportamental interna e externa, ou seja, eles identificam potenciais ameaças por comportamentos como fazem alguns produtos da Symantec e McAfee, que identifica maquinas enviando pacotes para outras maquinas, logins com força bruta, etc.

Já os sistemas de proteção comportamental com análise externa são produtos bem diferentes. Eles analisam comportamentos de maquinas no ambiente e comunicações externas. Com isso é possível identificar:

  • Um grupo de maquinas recebendo pacotes de uma determinada maquina com conteúdo suspeito
  • Pacotes oriundos de países onde o ataque de phishing e similares são comuns
  • Pacotes oriundos de maquinas já identificadas como “zumbi”

Ou seja, com base na análise do próprio ambiente e de comportamento de hackers, é possível identificar que determinado hacker está tentando invadir uma empresa ao analisas que este hacker está enviando pacotes para a rede da empresa alvo.

 

O que é o ATA e o ATP

Nos produtos Microsoft esse produto é o ATA (Advanced Thread Analisys) que trabalha no Active Directory e logins, e o ATP (Advanced Thread Protection) que trabalha com Machine Learning (análise de dados) sobre os logs das maquinas individuais.

Na prática o Windows Defender ATP trabalha com o mesmo log que o Windows Defender, mas online e com base nas análises e dados do DCU. Com isso é possível identificar ameaças que não são encontradas nos tradicionais DAT ou com base apenas em uma única maquina que é a forma como os antivírus tradicionais trabalham.

O ATA é parte do EMS (Enterprise Mobility Suite), mas pode ser adquirido a parte: https://www.microsoft.com/pt-br/server-cloud/products/advanced-threat-analytics/overview.aspx

O ATP ainda está em preview com acesso por solicitação: https://www.microsoft.com/en-us/WindowsForBusiness/windows-atp

 

Overview do ATP

Como já possuo acesso ao ATP, vamos ver como ele funciona. Para pedir esse acesso, entre na página acima e complete com seus dados. É possível incluir maquinas de seu ambiente, mas o sistema gera algumas maquinas com vírus e problemas para testes automaticamente. Note nas telas abaixo que o usuário utilizado é gerado pela Microsoft para os testes.

Ao receber o acesso, o primeiro passo é indicar tempo de retenção e perfil da empresa que serve para elaborar threads por tipo de segmento:

capture20160724155740716

Na sequencia geramos o pacote ou o script para distribuição das configurações. Note que é possível criar os pacotes para distribuição por GPO, SCCM, Intune ou Local que é o que utilizarei nos meus testes:

capture20160724155906768

O passo seguinte é baixar o pacote, no meu caso o Local Script:

capture20160724155940968

O script contem um arquivo CMD para ser executado manualmente nas maquinas que desejo que o log do Defender seja enviado para o ATP. Esse script cria uma chave no registro para indicar o meu tenant e ativar o ATP:

Capturar

A partir de agora as suas maquinas passarão a enviar dados para o ATP em algumas horas.

No caso do meu teste, posso utilizar os dados da maquina que a Microsoft gera com testes e ver os alertas e o dashboard. A primeira tela é o Dashboard que indica o comportamento geral no ambiente monitorado:

capture20160724161031396

Neste caso não tenho alertas gerados nos últimos 30 dias, mas tenho os de criação do tenant para demonstrar como utilizar o gerenciamento de alertas:

capture20160724155810843

Cada alerta pode ser ignorado, marcado como resolvido ou suprimido em todo o tenant ou apenas para esta maquina específica:

capture20160724155833547

 

Conclusão

Este tipo de análise dos dados é essencial para a segurança da corporação. Em breve disponível como serviço no Azure, o ATP é uma nova forma de analisar e garantir seu ambiente.

Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'appcontroller'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Pageviews 2019: 3479645
Pageviews 2018: 4296564
Pageviews 2017: 4351543
Pageviews 2016: 3991973
Pageviews 2015: 2675433
Pageviews 2014: 2664208
Pageviews 2013: 2399409
Pageviews 2012: 3209633
Pageviews 2011: 2730038
Pageviews 2010: 1470924
Pageviews 2009: 64608

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

System Center Virtual Machine Manager 2016 TP2 Integrado com Azure

Uma das novidades do System Center Technical Preview 2 é no Virtual Machine Manager que agora integra as VMs que você tem no Azure, o que nos deixaria orfão com o fim do AppController.

Para isso basta ir no console em Azure Subscriptions e inserir as assinaturas.

Para encontrar as assinaturas no painel web do Azure e copiar o ID da assinatura e baixar o certificado de gerenciamento que fica na aba de settings, como a imagem abaixo:

VMMAzure-3

Multiplas assinaturas podem ser adicionadas no VMM:

VMMAzure-1

Automaticamente o VMM irá popular a lista das VMs de cada assinatura, integrando a visualização:

VMMAzure-2

A partir da integração é possivel gerar relatórios, ver as configurações, iniciar e parar VMs e automatizar com Orchestrator.

Ainda existem limitações, por exemplo não é possivel criar VMs no console do VMM o que espero ser possivel quando houver o lançamento do System Center 2016.

System Center Technical Preview (vNext) – Features Removidas

Já a algum tempo que temos disponíveis para download as versões preview do System Center, e uma pergunta que em enviam com freqüência é sobre o SCCM e o AppController.

Onde está o SCCM TP?

Primeiro tratamos do Configuration Manager (SCCM). Apesar de fazer parte da família (suite) de produtos System Center, o SCCM é tratado por um grupo separado. Enquanto o grupo de Program Managers de CDM (Cloud and Datacenter Management) cuida da inteira suite, o SCCM está debaixo do grupo de Enterprise Client Management já que está mais ligado a camada cliente do que servidores e operações de TI como os outros produtos.

Sendo assim, o SCCM não está ainda disponível na versão Technical Preview.

AppController

Agora vamos falar do AppController. Esta ferramenta é uma que particularmente eu gostava muito (http://www.marcelosincic.com.br/search.aspx?q=appcontroller), pois integra a administração do ambiente privado (via VMM) com o ambiente público no Azure, permitindo utilizar os mesmos templates e uma única ferramenta administrativa.

Na versão vNext do System Center ele será descontinuado, e o motivo é que poucas empresas utilizaram o AppController para gerenciar ambientes híbridos, usando o AppController como portal de auto-atendimento.

Com o lançamento do Windows Azure Pack (WAP), os principais clientes do AppController passaram a ter uma ferramenta de auto-atendimento muito mais robusta e completa para IaaS, PaaS e SaaS (AppController só fornecia IaaS).

Server App-V

Abordei esta ferramenta no passado (http://www.marcelosincic.com.br/post/Virtualizacao-de-Aplicacoes-de-Servidores-com-o-Server-App-V-do-VMM-2012.aspx) e sua funcionalidade sempre foi pouco utilizada.

Com a telemetria de uso e pesquisas da Microsoft constatou-se que os clientes utilizam muito mais templates com as aplicações e softwares instalado do que o seqüenciamento de aplicações/serviços.

Baseado neste baixo uso e duplicidade de maneiras de embutir aplicações, a Microsoft decidiu pelo mais econômico que é descontinuar o desenvolvimento.

Outras Remoções

Existem ainda alguns outros itens, mas são menos relevantes e óbvios, como por exemplo, versões mais antigas de vCenter e Xen.

Todas as remoções estão disponíveis em https://technet.microsoft.com/en-us/library/dn806370.aspx

Login